sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Se Liga na profissão: Oceanografia


Mais do que disposição para estudar o mar e os animais aquáticos, o estudante interessado em seguir carreira em oceanografia tem de ter habilidade em ciências exatas. Sem conhecimento em matemática, física e química, dificilmente o oceanógrafo vai conseguir promover a interação entre o ambiente marinho e o terrestre, principal missão do profissional.
Esta interação é feita através dos mangues, praias e costões rochosos. O curso de oceanografia, geralmente em quatro anos, também habilita o estudante a entender e promover o bem-estar dos bichos marinhos.
Para tanto, é preciso dedicação. Ricardo Cesar Cardoso, de 37 anos, oceanógrafo do Aquário de São Paulo, diz que a carreira exige um profissional multidisciplinar, por isso é necessário ter domínio de química, física, geologia e biologia.
De acordo com Cardoso, o oceanógrafo precisa ter conhecimento na área química para entender a “sopa” de elementos químicos que é a água do mar. Também é necessário entender de física para aprender a analisar o movimento dos oceanos, como ondas, correntes e marés. Geologia é importante, pois o profissional estuda a formação das rochas e o substrato dos oceanos. Para entender as diferentes espécies de animais aquáticos e seus habitats, o oceanógrafo tem de conhecer biologia.
curiosidades(Foto: Arte/G1)
Se o curso de graduação exige dedicação e esforço, por outro lado, de acordo com Cardoso, o mercado de trabalho traz a contrapartida. Segundo ele, há poucos oceanógrafos formados no Brasil e o mercado está em expansão. “Somos menos de 1.500 profissionais. Tem mercado para absorver toda a mão de obra e para muito mais gente. O grande problema é que o próprio mercado desconhece o profissional”, afirma Cardoso.
O setor público, por exemplo, é um dos setores que ainda precisa aproveitar mais a habilidade dos oceanógrafos. “Todas as cidades litorâneas deveriam ter oceanógrafos em seus corpos técnicos. Nós estamos mais aptos a lidar com a integração entre o ambiente costeiro e o oceano.”
Organizações não-governamentais e empresas de consultoria também podem absorver os oceanógrafos. Uma indústria de celulose, por exemplo, que vai gerar impacto em um ambiente marinho costeiro vai precisar do conhecimento deste profissional para dar continuidade ao seu trabalho.
Não há um piso salarial regulamentado para o oceanógrafo. Atualmente, a Associação Brasileira de Oceanografia luta pela criação de um conselho para regular a profissão.  

O Aquário de São Paulo reúne 2.500 animais de 200 espécies diferentes em mais de 50 "pequenos oceanos."
Mitos
Um dos mitos mais conhecidos relacionado ao universo da oceanografia é de que os tubarões são seres agressivos. No Aquário de São Paulo, Cardoso afirma que é possível provar o quanto o convívio entre eles e o homem pode ser amistoso. Os mergulhadores os alimentam dentro dos aquários e os adulam como se fossem pets.  "Lidamos com as moreias como se fossem cachorrinhos. Precisamos respeitar os limites do animal e saber identificar quando ele se sente incomodado", diz.
Fonte: G1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário